No Palácio Piratini pedindo ao Chefe da Casa Civil que o Estado não feche a SUEPRO

O Deputado Estadual Alceu Barbosa Velho (PDT), 2º vice-presidente da Assembleia Legislativa, juntamente com a professora Carmen Angela de Andrade, diretora da Escola Técnica Estadual Parobé, de Porto Alegre; Sérgio Luiz Crestani, presidente da Associação Gaúcha de Professores Técnicos de Ensino Agrícola (AGPTEA) e da professora Méri T.C. Marmilicz, presidente do Conselho de Diretores das Escolas Agrícolas do Rio Grande do Sul, estiveram em audiência com o Chefe da Casa Civil do Governo do Estado, Carlos Pestana, a quem solicitaram que o Governo do Estado mantenha a Superintendência da Educação Profissional do Rio Grande do Sul (SUEPRO). Eles entregaram ao Secretário de uma Nota Pública das Escolas Técnicas Estaduais.

O Deputado manifestou sua preocupação ao Chefe da Casa Civil porque os cargos de confiança da SUEPRO, antes mesmo de uma provável extinção do órgão, já estão sendo remanejados e assumidos por pessoas de confiança da administração da Secretaria de Educação(SE). Em audiência pública solicitada pelo Deputado Alceu Barbosa e realizada pela Comissão de Educação no dia 27 de março de 2012, com o objetivo de esclarecer a intenção de extinguir a SUEPRO, foi solicitado pelos participantes o encaminhamento do documento elaborado pela Associação das Escolas Técnicas Estaduais. A nota retrata a preocupação da comunidade escolar e daqueles que entendem que a educação é o alicerce das transformações sociais e econômicas responsáveis pelo desenvolvimento do Estado e da Nação.

Foto Cláudio Tessmann Ribeiro
Anúncios

Alceu Barbosa propõe saneamento e não simples extinção da SUEPRO

Foto: Galileu Oldenburg | Agência ALRS

A intenção da Secretaria de Educação do Rio Grande do Sul de extinguir a Superintendência da Educação Profissional (SUEPRO) e instituir, no seu lugar, uma coordenação específica foi motivo de lotação do Plenarinho da Assembleia Legislativa, sob a presidência do Deputado Alceu Barbosa Velho (PDT) em audiência pública da Comissão de Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia. A audiência, solicitada por Alceu, contou com a presença do secretário Estadual de Educação, José Clóvis de Azevedo; do superintendente da SUEPRO, Pedro Luiz Maboni; de Meri Terezinha Cichocki Marmilickz, presidente do Conselho Estadual de Diretores de Escolas Agrícolas; de Sérgio Cristani, presidente da Associação Gaúcha de Professores do Ensino Agrícola; de diretores da Secretaria de Educação, de escolas técnicas, professores e alunos. Os trabalhos foram abertos por Alceu que fez questão de ressaltar a importância de “sabermos as razões da extinção da SUEPRO”, que as escolas técnicas ficaram sabendo através do site da Secretaria de Educação. O Deputado manifestou sua preocupação com possíveis prejuízos que advirão da extinção da Superintendência, caso ela se confirme: “Estamos aqui todos defendendo a escola profissional e a intenção de promovermos esta audiência pública foi para fazermos o debate”, afirmou. “A constatação a que chego neste momento – inclusive pela fala do secretário da Educação – parece ser que o problema é a forma como está sendo realizada a extinção da SUEPRO, simplesmente se acabando com o órgão. Sou do princípio que, quando se dá banho numa criança, se joga fora a água suja e não a criança. Recomendo que se discuta mais o assunto, que este diálogo se prolonge. Somos todos favoráveis ao avanço tecnológico e talvez possamos sanear a SUEPRO e aproveitar tudo de bom que ela tem em sua bonita história”, disse o Deputado. O secretário de Educação, José Clóvis de Azevedo, disse que a intenção do Governo do Estado é de dar mais mobilidade para a SUEPRO que passará a integrar o gabinete do secretário. “Se a SUEPRO funciona muito mal é por causa de sua estrutura superada, fruto de outra época, que separou o ensino técnico da escola. Vamos trabalhar na linha de dar mais mobilidade às 156 escolas técnicas do Estado e fazer com que os recursos federais cheguem melhor. A Superintendência é obsoleta e, por isso, alguns convênios não avançam. Temos a certeza de que vamos mostrar para todos o melhor, com um trabalho diferenciado, singular na formação de nossos jovens. É uma questão de concepção de gestão e política de governo”. Ao final da reunião, o Deputado Alceu Barbosa recebeu um abaixo assinado da SUEPRO contendo pedido para ela não seja extinta e encaminhou o documento, com quatro mil assinaturas, ao governador Tarso Genro para que ele avalie.

Audiência Pública sobre extinção da Superintendência de Educação Profissional do Estado (SUEPRO)

Nesta terça-feira, às 9h30min, a Comissão de Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia, realizará Audiência Pública, a requerimento do Deputado Alceu Barbosa Velho (PDT), 2º vice-presidente da Assembleia Legislativa e vice-presidente da Comissão de Educação. A audiência será no Plenarinho e debaterá o anúncio feito pela Secretaria de Educação (SE) de que encerrará as atividades da Superintendência da Educação Profissional do Estado (SUEPRO). Alceu Barbosa solicitou urgência na audiência pois considera um retrocesso no processo educacional das escolas técnicas o fim da SUEPRO. “- Precisamos esclarecer com a máxima urgência porque a Secretaria Estadual de Educação quer acabar com a Superintendência. Antes deste órgão as escolas técnicas encaminhavam seus projetos e, no Estado, não havia um setor especializado em educação profissional integrado por pessoas capazes de dar um parecer e decidir sobre o assunto”, justificou o Deputado. O parlamentar afirma que especialistas que acompanham o funcionamento das escolas não concordam com os argumentos do governo de que a extinção da SUEPRO é necessária “pela dicotomia que existiria entre o ensino médio e a educação profissional, desde o decreto 2208/97”. Responsáveis pelo processo de extinção dentre outros argumentos, chegaram a qualificar a escola técnica agrícola de vaca pedagógica, com o Deputado não concorda. Segundo Alceu, anos de prestação de serviço seriam jogados fora. “Vamos em busca de esclarecimentos sobre extinção da SUEPRO. Queremos saber até que ponto ela beneficiará a administração das escolas técnicas e trará educação profissionalizante de efetiva qualidade”, disse Alceu. Foram convidados pela Comissão de Educação o secretário estadual de educação; o superintendente de educação profissional e o presidente da AGPTEA (Associação Gaúcha dos Professores de Ensino Agrícolas) e órgãos colegiados. A SUEPRO, criada em 1998, gere a autonomia técnica, pedagógica, financeira e administrativa de todas as escolas estaduais profissionais do Rio Grande do Sul.

Audiência pública na terça-feira(27) para evitar a extinção Superintendência da Educação Profissional (SUEPRO)

 Requerimento do Deputado Alceu Barbosa Velho (PDT), 2º vice-presidente da Assembleia Legislativa e vice-presidente da Comissão de Educação, foi aprovado por oito votos a zero na Comissão de Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia. O documento solicitou a uma audiência pública que, devido à urgência do assunto, deverá realizada na próxima terça-feira(27) no Plenarinho ( a confirmar) da Assembleia.

-“Precisamos esclarecer com a máxima urgência porque a Secretaria Estadual de Educação do Rio Grande do Sul quer extinguir a Superintendência da Educação Profissional (SUEPRO) e instituir uma coordenação específica para substituí-la”, justificou o Deputado.Assim anos de prestação de serviço seriam jogados fora.

Diversos parlamentares manifestaram preocupação pela extinção da SUEPRO havendo unanimidade de que este fato possa se constituir num retrocesso, prejudicando as escolas técnicas que necessitam, pelas suas características, de atendimento diferenciado. “Vamos em busca de esclarecimentos sobre extinção da SUEPRO. Queremos saber até que ponto ela beneficiará a administração das escolas técnicas do Rio Grande do Sul e trará educação profissionalizante de efetiva qualidade”, disse Alceu. A Comissão de Educação deverá convidar, dentre outras autoridades, o secretário estadual de educação; o superintendente de educação profissional e o presidente da AGPTEA (Associação Gaúcha dos Professores de Ensino Agrícolas) e órgãos colegiados. A SUEPRO, criada em 1998, gere a autonomia técnica, pedagógica, financeira e administrativa de todas as escolas estaduais profissionais do Rio Grande do Sul.

Audiências públicas para a escola de tempo integral e a bicicleta como transporte alternativo

Alceu preside comissão na manhã de hoje

Na reunião ordinária da Comissão de Educação Cultura Ciência e Tecnologia o presidente Alceu Barbosa Velho (PDT), vice-presidente no exercício da presidência, encaminhou a votação de proposições e requerimentos. Dentre eles, segundo informa Alceu, foram aprovados a realização de audiência pública sob a forma de ciclo de debates para discutir o tema da “utilização de bicicletas como meio alternativo de trasporte nos municípios” (requerimento do deputado Luciano Azevedo) e requerimento da deputada Juliana Brizola, presidente da Comissão, para audiência pública visando debater a Escola de Tempo Integral, em Porto Alegre.

Foto: Cláudio Augusto Ribeiro